PIER PAOLO PASOLINIBolonha deve muito a Pier Paolo Pasolini. Aqui nasceu 5 de marco de 1922, em Borgonuovo.
Aqui foram os anos de sua formação (ele participou do Liceo Galvani) e da Universidade (Bachelor of Arts). Em 1955, ele fundou e dirigiu, junto com Francesco Leonetti, Roberto Roversi, a oficina do jornal.
Ele se mudou para Roma nos anos cinquenta (onde começou a trabalhar como roteirista e fez sua estréia como diretor em 1961 com Tramp) Pasolini volta várias vezes em sua cidade natal, e também para dirigir a cena final de Édipo Rei (1967), na Piazza Maggiore, e algumas cenas filmadas no Villa Aldini, seu último filme, Salò ou os 120 Dias de Sodoma (1975). Não se esqueça da entrevista a equipe do Bologna liga para seus encontros de amor (1964).
Em Bolonha, desde 2003, há uma extensa documentação sobre a obra ea figura intelectual internacional de Pier Paolo Pasolini e precisamente nos espaços da Biblioteca “Renzo Renzi” Fundação Cinemateca de Bolonha, que abriga mais de 1.200 volumes, além de uma arquivo de fotografias, audiovisuais, revistas, catálogos, recortes de imprensa, dissertações, gravações de áudio de conferências, debates, palestras e programas de rádio.
Uma documentação impressionante coletados e preservados graças à iniciativa da atriz Laura Betti (nascido perto de Bolonha, Reno), ex-fundador do Pier Paolo Pasolini, cuja emanação direta é precisamente o Centro de Estudos – Arquivo Pier Paolo Pasolini Bolonha. Após a morte de Laura Betti (2004), pela vontade de seu irmão Sergio Trombley ao lado do Fundo de Pasolini, há também a “Doação Betti”, incluindo fotografias, textos e objetos pessoais documentam o itinerário artístico caprichoso da grande atriz Bolonha.